Chacal, Na Sala do Sino e Geraldo Junior
quinta-feira, agosto 02, 2012 | Author:
Chacal, Na Sala do Sino e Geraldo Junior
quinta-feira, agosto 02, 2012 | Author:
domingo, janeiro 29, 2012 | Author:
Amigos amores, amados, paixões e casos!

Queria agradecer mais uma vez pela linda Terreirada de ontem! Que público fantástico! A nossa banda da Terreirada! As participações especiais, maravilhosas! Luiza SalesMiguel Fridman GarciaIrineu FernandesYuri Villar,Márcia GuzzoKarina Neves, Romulo Frazão! Entre outros de sempre! As novas parcerias com Aline Brufato e o Semente da Música Brasileira!


Essa história começou com Elizabeth FernandesPaloma Fraga, Isabel Viana, Ranier Oliveira,Flauberto Gomes, e tantos outros parceiros! Essa galera tem todos os méritos do que somos hoje! Desde Grupo Tá Na Rua, com o Cigano, (rsrsrs) o CTO, Casa Gira Mundo... E vamos seguimos caminho! Cada vez mais desenvolvendo um trabalho mais amplo, muito além do forró! Passeando pela música brasileira e universal! Inovando sem perder a essencial da nossa música, no terreiro, dos folguedos, da celebração da vida!

Vem aí o carnaval e teremos a Terreirada à Fantasia, em março ja voltamos com a Terreirada Cariri, e ainda esse semestre iniciaremos a Terreirada especial, mensalmente, em uma espaço ainda maior com convidados e tudo! Salve o Ceará, meu Cariri, e salve o Rio de Janeiro! Isso é Brasil!

Atualmente! Somos Julia Guimaraes, Geraldo Junior, Beto LemosGabriel PontesCláudio Lima,Joana Araujo e Felipe Rodrigues! Mas passaram por aqui e deixaram sua contribuição: Filipe MüllerMarcelo Müller,Flauberto Gomes, Ranier Oliveira, Luiza Sales, Francisco Gomide, Maria Gomide, João Bittencourt e tantos outros, também!

É isso, vim dizer aqui que nada é graça! Essa construção é como qualquer outra coisa na vida na qual agente se doa! Tem amor e carinho, seja um jardim, uma poesia, uma canção, um Terreiro... Hoje vamos colhendo as flores plantadas por cada um de vcs! Principalmente o público!

Tenho orgulho em repetir:

- Somos uma festa independente, um espaço alternativos!

Desenvolvemos aqui uma expressão artística, não apenas uma reprodução da música de mercado ou da cultura de massa! Isso é uma conquista! Que venham muitos outros anos pela frente! 

Amigos, somos agradecidos por vcs escreverem essa história conosco!Continuem compartilhando literalmente, digitalmente, fisicamente, espiritualmente, essa alegria conosco!Beijos e abraços,Terreirada Cearense!
Mais Tarde, Mais Forte - Geraldo Junior e Dudé Casado
quinta-feira, agosto 11, 2011 | Author:
Dudé Casado e Geraldo Junior tocarão juntos novamente no mesmo palco. Os ex-integrantes do grupo Dr.Raiz mostrarão suas novas canções no Show Mais Tarde, Mais Forte, um só espetáculo com diferentes ritmos que também contará com a presença de novos grandes músicos da região. 

Geraldo Júnior


O trabalho do cantor e compositor desenvolve-se nesse contexto como um aglutinador das artes populares, utilizando elementos tradicionais como ferramenta para fundir e resignificar todas essas linguagens através de uma leitura contemporânea.
Dudé Casado

Com um gosto eclético, sempre absorveu naturalmente várias influências de universos musicais distintos, desde a música de raiz, provinda dos grupos de cultura popular da região, até bandas como The Beatles, The Doors, Pink Floyd, Black Sabbath, Sepultura...
Sexta-feira, dia 19 de Agosto
Sesc Juazeiro do Norte às 20h
Terreiro da Mestra Margarida

Sem ou Contradições?! - Centenário de Juazeiro de quem?!
quarta-feira, julho 20, 2011 | Author:
A programação das comemorações do Centenário de Juazeiro do Norte, com poucas exceções, é um desrespeito ao Pe. Cícero, enquanto homem, lider (politico no melhor sentido da palavra) e santo! Estão fazendo uma micareta com um momento tão importante! Contradiz tudo o que ele acreditou! E olha que eu não sou radical!

Repudio tudo isso! Que pensamento retrógrado e limitado! Esses "gestores politicios" deveria conhecer a história de pessoas como Cícero Romão Batista e a prender um pouco com ele. Talvez entendessem, o porque do Juazeiro do Norte existir e o motivo de nossa região ser tão rica em tantos aspectos! É triste a forma como ignoram os nossos maiores potenciais e conseguem usurpar, denigrir e transformar festas e eventos tradicionais em eventos politiqueiros: Festa de Barbalha, Exposição do Crato, Romarias de Juazeiro... Onde está a gestão Cultural?

Onde estão os artistas de nossa terra? O povo que o Pe. Cícero acolheu e tanto valorizou?! Não falo de nomes como o meu, Zabumbeiros, nomes de artistas vizinhos do Crato, Barbalha e demais cidades do Ceará e tambem do sertão alem fronteiras politicas! Os meninos da Casa Grande?! O Carroça Mamulengos, Os mestres de Cultura Popular Tradicional em um lugar realmente de respeito à grandeza e importância de sua de sua arte, principalmente pra o povo de nossa região?! São Chico Cesar?! Dê uma luz pra esse povo!
O Pecado e a redenção
quinta-feira, abril 21, 2011 | Author:

Já era pra mais de cinco, o sol postava-se e, por alguns minutos, trabalhava a tela celeste com variações do vermelho e amarelo, traços expressionista, vistos com muita graça por olhos reluzentes, o que não vinha por terra, em museus e exposições. O sol fazia dos raios, pincel, da óptica, suas cores e usava a ilusão como ajudante. Abaixo do céu, o sertão, desta vez não castigado, mostrava agora o que antes era promessa, traduzia em verde as translúcidas chuvas de março.

E não é que no meio de todo este cenário bucólico estava a agir um ladrãozinho de quinta! Dito por João Furtado, que ao meu entender, esqueceram um "r" em seu sobrenome. Era conhecido pelos arredores do vilarejo, não por esta ocupação, mas por ser mercador. Levava e trazia tudo quanto podia lucrar, desde potes e canecas até, quem diria, guarda-chuva, outrora conhecido por guarda-sol.

"Pra mais de cinco" é que o perverso encontrava-se em meio a fotos antigas e terços bentos, os quais eram dispostos em um compartimento do guarda-roupa de uma Dona Odete Vintém, dona de alguns casebres e um apartamento para alugar, dirigia-se, em procissão, à sua respeitável casa, levando a imagem de uma santa. O meliante prosseguia em sua ação a procura de algo que viesse somar aos tostões que havia em seu bolso.

D. Odete e outras senhoras e senhores adentravam a simples casa, cantando em tom melódico as cantigas de novena e renovação, há tempos conhecidas pelas gerações sertanejas, agora usadas para agradecer pelos bons tempos de chuvas. Tal entrada serviu para disparar o coração daquele Furtado(r) e não somente isto, nunca se viu por aquelas bandas pupilas tão contraidas nem suor tão frio quanto o visto naquele pingo de gente. Ou melhor, não visto!

Com um terço na mão, o meliante fechou de imediato a porta do guarda-roupa e assegurou-se debaixo de uma cama que existia ali. Sob a égide do sangue fervente, mas com a perspicácia de um comerciante, saiu aos poucos de onde estava, o problema não era sair da alcova, mas sim daquela casa, sem que os presentes o classificasse de ladrão.

Da saída daquele quartinho até a porta de saída da casa era só rezas, o recinto tornava-se um templo de ave Marias e Pai nossos. A única alternativa para retirar-se ileso naquele momento foi usada pelo sujeito; às escondidas, conseguiu ficar por trás da porta entreaberta que dava acesso ao vão que servia para espaço da imagem da santa e, naquele momento, onde estavam celebrando as graças, porta esta, parcialmente impedida por duas senhoras rezadeiras. Na hora que todos baixaram a cabeça em sinal de devoção à santidade, o agora religioso João Furtado, salta de onde estava e recebe das mãos de uma senhora o livrinho de orações. Por ironia do destino lhe é concebido a glória de conduzir a derradeira leitura. E lá estava o infame a dizer: "Tens piedade de mim e do mundo inteiro...".

por Daniel Coriolano

As Santas Cores de Antônio
quarta-feira, abril 20, 2011 | Author:
Geraldo Freire - Sinos e Relógios made in Cariri CE
terça-feira, abril 12, 2011 | Author:

Igreja Matriz recebe “novo” relógio

Após 1 ano de reforma, Jucás recebe de volta, o relógio da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo.

A reforma do relógio teve como objetivo torná-lo automático, já que até então, era necessário o trabalho humano para dar corda no mesmo.

Essa transformação foi realizada pelo Sr. Geraldo Ramos Freire, de Juazeiro do Norte, único especialista em relógios desse tipo em todo o Nordeste.

O Sr. Geraldo confessou à Assessoria de Comunicação do Governo Municipal de Jucás “Não tenho conhecimento de um relógio igual a esse no Nordeste. Talvez não haja outro igual em todo o Brasil”, explicou o relojoeiro, que logo em seguida disparou “Este relógio é idêntico ao relógio utilizado no Big Ben de Londres.”

O trabalho do Sr. Geraldo consistia em automatizar o relógio, que agora é conectado a energia elétrica através de dois motores. O sistema ficou seguro, graças a intervenção do eletricista da prefeitura, Cícero, que sugeriu a implantação de um quadro de energia.


Sr. Geraldo Ramos instalando o relógio na torre da Igreja.


Esta reforma foi custeada pelo Governo Municipal de Jucás e teve um investimento de mais de R$ 16.000,00. A única exigência era a manutenção da máquina original, que data de 1947, de fabricação do Salesianas de Juazeiro do Norte.

O prefeito Helânio Facundo justificou o investimento. “O relógio da Igreja precisava de uma reforma há anos, já que o mesmo poderia ter algum problema e parar de funcionar a qualquer momento. Aproveitando o ensejo, resolvemos automatizá-lo, o que o tornou mais prático, confiável e durável. A prefeitura fez essa parceria com a paróquia, pensando em preservar nosso principal patrimônio histórico e ponto turístico, que é a Igreja de Nossa Senhora do Carmo.”


O relógio fabricado em 1947 teve sua máquina preservada.
A belíssima Igreja de N. S. do Carmo, agora com o seu "novo" relógio.

Clique aqui para conferir a matéria original!

 
Agenda Geraldo Junior - Abril/Maio Ceará e Paraíba
terça-feira, março 29, 2011 | Author:
Shows Geraldo Junior e Banda, Abril/Maio Ceará e Paraíba:

Dia 27/04 CCBNB - Centro Cultural Banco do Nordeste - Fortaleza CE às 12h

Dia 27/04 CCBNB - Centro Cultural Banco do Nordeste - Fortaleza CE às 18h30m

Dia 28/04 CCBNB - Centro Cultural Banco do Nordeste Cariri - Juazeiro do Norte CE às 19h

Dia 29/04 CCBNB - Centro Cultural Banco do Nordeste - Sousa PB às 19h

Dia 30/04 CCBNB - Centro Cultural Banco do Nordeste - Sousa PB às 19h

Dia 01/05 Teatro Violeta Arraes - Fundação Casa Grande - Nova Olinda às 19h

Abraços,
NOSSA LINDA JUVENTUDE
sexta-feira, janeiro 21, 2011 | Author:
CHEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEGA!!!

Está na hora de uma nova revolução neste mundo. Está na hora de mais uma seleção natural onde só os fortes sobrevivam. Quem sabe teremos uma boa chance de evoluir a raça então, já que a grande maioria não sobreviveria mesmo.

Se você é mais ou menos como eu, pós-adolescente (nunca adulto), cheio de gás, cada vez mais curioso em busca do conhecimento, da tão falada experiência de vida e adora a viver intensamente, acompanhe o meu/seu/nosso raciocínio.

Com a chegada da adolescência, eu/você/nós nos vimos num mundo enorme, totalmente diferente daquele da infância.

O mundo não era mais só a nossa casa, era o mundo todo mesmo; nosso pai não era mais um super-homem, e nem por isso deixamos de gostar dele; nossos amigos eternos viravam desconhecidos a medida que nos distanciávamos, e várias outras coisas peculiares a cada pessoa aconteciam.

Adquiri-se uma vasta cultura pop, conhece-se a si mesmo: dos poemas de Lord Byron a livros de Richard Bach; dos quadrinhos da Mônica às HQs de terror; do dominó ao War e xadrez; dos livros didáticos aos quadrinhos de Angeli; do Balão Mágico ao Heavy Metal...

Como disse Belchior uma vez: “nossos ídolos ainda são os mesmos”. Vendo isso com outra conotação, isso é bom!!! É sinal que temos um bom gosto para escolher nossos ídolos, que vão de Che Guevara a guitarristas virtuosos, de Janis Joplin a Ginger Lynn. Além de que sempre estamos procurando novos ídolos, que não irão nunca tomar o lugar dos antigos.

O que quero dizer é que sabemos quem somos, apesar de eternamente perdidos, sabemos o que gostamos, sabemos o que procuramos, talvez não saibamos encontrar, mas talvez nem mesmo o queiramos.

Somos pessoas de memória, com certeza as últimas do mundo moderno.

Hoje em dia, veja só, o que me levou a escrever tudo esse emaranhado de idéias foi uma convenção de tatuagens apresentada pela Syang (ex Simone) no programa da Luciana (blergh) Gimenez.

Não gosto de tatuagens, não acho sexy, não sinto tesão, e nada vai me fazer mudar de idéia. Mas também não discrimino, acho legal, acho uma forma de atitude (quem será que inventou isso? Afinal qualquer coisa é atitude, até nada é uma atitude), uma forma de formar tribos e qualquer coisa que o valha.

Mas, hoje em dia, a tatuagem, assim como nada mais, tem o poder, ou o sentido de uma atitude, tudo virou apenas uma vitrine, tatua-se porque tatua-se, como resposta de criança: “porque sim!”

Mas “porque sim” não é resposta.

Tinha um cara com o corpo todo coberto de tatuagens de motivos japoneses que ele não sabia explicar o que eram (???).

Outro tinha 140 piercings no corpo, mas ele disse que “não incomodava” (cá entre nós, até cabelo grande incomoda, até salto alto, até o último botão da camisa...) e que antes eram mais de 200. Falou também que usava porque quanto mais diferente a pessoa é, maior é o preconceito (???).

Outro, um tatuador, estava com usando uma técnica milenar japonesa totalmente artesanal. Ele explicou que a diferença entre a técnica artesanal e a técnica com a máquina é que a primeira é artesanal (???).

Tudo hoje é simplesmente uma vitrine. Todos são somente uma vitrine, mas totalmente sem recheio, sem alma.

No meu/seu/nosso tempo, éramos diferentes e nos reuníamos em tribos para nos completarmos, como se cada um tivesse algo que faltasse no outro, e éramos companheiros, seja em emprestar um disco, seja em pagar uma bebida, seja em apenas conversar (o que mais gostávamos).

Ia-se a esses eventos no intuito de trocar idéias, de conseguir novas experiências, todos estavam interessados no que o outro era ou fazia.

Tá certo que todo mundo era apaixonado por aquela fulaninha que era a única que trepava da turma, ou que havia um escalão entre os homens para pegar as menininhas, mas tudo era de uma forma natural, haviam regras que não podiam ser quebradas, e que todo mundo respeitava.
Hoje em dia, tudo é apenas uma vitrine, nada-se com a maré, mesmo sabendo que há uma tremenda cachoeira adiante.

A própria Syang, já foi Simone numa banda de death metal chamada P.U.S. (Porrada Ultra Suicida), era a deusa dos headbangers. Sumiu, reapareceu na Casa dos Artistas, apenas um espectro do que era, e hoje posa na playboy. É mais ou menos como os ex-exilados políticos do Brasil que hoje são políticos corruptos.

Uma vez fui numa Mostra Zine. Fomos cheios de curiosidade e afoitos por conhecer gente nova, ler coisa nova. Mas não conhecemos ninguém, pouca gente se preocupava em conhecer nosso fanzine, tudo era só uma vitrine onde todo mundo se expunha como carne pendurada num açougue.

Festivais de Rock? Que é isso agora afinal?

Antes tinha-se uma proposta política. Hoje vai-se e bebe-se e transa-se (se bem que às vezes me pergunto se esses adolescentes de hoje gostam mesmo de sexo) e volta-se pra casa nem imaginando que deveria haver um sentido de dever cumprido. Na outra semana nem lembram mais do que foi feito.

Assim como não se lembra da moda do ano passado, será que foi axé? Ou pagode? Ou brega? Ou o caralho?

Que será que esse pessoal vai contar pros netinhos?

Mas não! Não é hora de se render e partir deste mundo como tantos fazem. Já que nós não pedimos pra nascer, daremos o maior trabalho para irmos embora. Apenas entremos nos nossos quartos, tiremos a poeira do baú da nossa cultura e façamos uma viagem nostálgica que vai servir para pegar aquele conhecimento pequenino que ficou meio esquecido, daí som na caixa, bem alto, para espantar os maus espíritos e fazer sinais de fumaça sonora que um dia serão chamados de contatos imediatos do terceiro grau. Terceiro grau sim, pois os analfabetos da vida nunca irão entender nada mesmo.

por Michel Macedo
Geraldo Junior e Banda em Janeiro no Ceará
quarta-feira, janeiro 05, 2011 | Author:


Shows Geraldo Junior e Banda no Ceará

Dia 14 de Janeiro
Geraldo Junior e Banda
Show Warakidzã - Senhor do Sonho
SESC Iracema às 19h
Rua Bóris, 90, Praia de Iracema
Fortaleza CE

Dia 18 de Janeiro
Geraldo Junior e Banda
Show Warakidzã - Senhor do Sonho
EREA - 2011
Pecém
Fortaleza CE

Dia 20 de Janeiro
Geraldo Junior e Banda
Show Warakidzã - Senhor do Sonho
SESC Crato às 19h
Rua André Cartaxo, 433, Centro
Crato CE

Dia 21 de Janeiro
Geraldo Junior e o Forró de Raiz
SESC Iracema às 19h
Rua Bóris, 90, Praia de Iracema
Fortaleza CE
Calem a boca, nordestinos!
quinta-feira, novembro 11, 2010 | Author:




Por José Barbosa Junior


A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.

Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra… outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.

Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!”.

Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos “amigos” Houaiss e Aurélio) do nosso país.

E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!

Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste!

Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país?

Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?

Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, vocês pensam que podem tudo?

Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos… pasmem… PAULISTAS!!!

E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, pernambucano.

Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.

Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura…

Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner…

E Não poderia deixar de lembrar também da genial família Caymmi e suas melofias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia…

Ah! Nordestinos…

Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?

Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.

Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de “cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!

Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)! Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!

Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário… coisa da melhor qualidade!

Ah! E sem falar numa coisa que vocês tem que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil! Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso… mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!

Minha mensagem então é essa: – Calem a boca, nordestinos!

Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.

Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.

Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”

Que o Deus de todos os povos, raças, tribos e nações, os abençoe, queridos irmãos nordestinos!

Fonte: http://www.crerepensar.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=204&Itemid=26

MedCINE - Up Altas Aventuras
terça-feira, outubro 19, 2010 | Author:


Após a exibição do filme,
debate com os professores:


D a v i d N e g r ã o
|cirurgião pediátrico|

&

G e n i B a l a b a n
|pediatra|

“Jamais um desenho animado teve a ousadia de abordar temas tão profundos - as perdas, o envelhecer, a morte, o amor eterno - estão todos lá! Se você acha que desenho animado é coisa de criança, você pode até dizer para os amigos que está estudando Pediatria...
Mas vá! Não deixe de ir!
Você irá descobrir que todas as perguntas realmente importantes são feitas entre os 3 e 4 anos - e então nos seguem por toda a nossa vida...“

Profa. Dra. Geni Balaban